Central de Atendimento:
  • (31) 3079.3478
  • (31) 3079.3479
  • (31) 3079.3480
  • (31) 3079.3481
2ª a 6ª de 7h as 19h Sábado de 8h as 13h15
  • A
  • A
  • A-
  • A
  • A+

Sarcopenia: redução da massa muscular aumenta risco de lesões e quedas

13 de Fevereiro de 2020 às 10h00

Derivado do grego, o termo sarcopenia significa “perda da carne”, o que na prática clínica indica a redução lenta e progressiva da musculatura esquelética ou massa muscular (massa magra) do nosso corpo, sendo o tecido paulatinamente substituído por colágeno e gordura. De acordo com a médica geriatra Marcelle Maksud Carneiro, integrante do Programa Amor à Vida, da Amagis Saúde, o processo da sarcopenia inclui também a diminuição da força muscular e de sua função motora, e da velocidade da contração muscular. “Tais perdas fazem parte do processo de envelhecimento e são, em parte, responsáveis pela perda da qualidade de vida na terceira idade”, afirma a especialista.

Segundo a Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia, cerca de 15% dos brasileiros têm sarcopenia a partir dos 60 anos de idade, chegando a 46% após os 80 anos.

A geriatra Marcelle Maksud Carneiro afirma que o declínio muscular é mais acentuado nos membros inferiores, o que compromete bastante o equilíbrio e o caminhar dos idosos. "O grau de sarcopenia é um dos indicadores da sobrevida dos idosos a partir de 75 anos, pois reduz gradativamente sua capacitação física, com impacto nas atividades de vida diária, aumento no risco de quedas e no grau de dependência", afirma a especialista.

Em pessoas saudáveis, a diminuição da massa magra inicia-se após os 30 anos de idade, com perdas em torno de 1% a 2% ao ano. Sem medidas preventivas, idosos com 80 anos de idade podem ter somente 50% de sua massa muscular da juventude. “Todavia tais situações são evitáveis e até passíveis de serem minimizadas, como a atividade aeróbica e os exercícios de resistência”, alerta a médica.

Sarcopenia

Exercícios como o pilates ajudam a prevenir a sarcopenia

A sarcopenia também ocorre fora do envelhecimento, em doenças como o câncer, processos infecciosos ou inflamatórios graves e grandes traumatismos, que levam a uma perda de massa muscular acelerada, muito mais grave do que aquela que ocorre no envelhecimento.

Causas

O processo de redução da massa muscular tem múltiplos fatores, como alterações no metabolismo muscular, alterações endócrinas e fatores nutricionais, genéticos e relacionados ao estilo de vida.  

De acordo com a médica Marcelle Maksud Carneiro, as causas mais comuns são a falta de atividade física, baixa ingestão proteica e calórica, aumento na produção de insulina, alterações na produção de testosterona, estrogênio e outros hormônios, redução dos níveis de vitamina e influência genética. 

Sintomas

Os sintomas da sarcopenia incluem dificuldade para realizar atividades físicas anteriormente consideradas de fácil execução, como subir escadas, carregar malas ou compras; desequilíbrio ao andar, especialmente em desníveis, e quedas constantes, o que geralmente ocorre quando a perda muscular já está em estágio avançado.

Diagnóstico

O diagnóstico é feito geralmente por um médico clínico geral ou por um geriatra, já que a doença é mais comum na terceira idade. Ferramentas diagnósticas de imagem como a tomografia computadorizada, ressonância magnética e densitometria são úteis para se estimar a massa muscular. Testes de bioimpedância podem substituir os exames de imagem em algumas situações. “Testes simples como medidas antropométricas, força de preensão palmar e testes de desempenho físico aplicados por profissionais habilitados também se mostram úteis na avaliação da força muscular”, afirma Marcelle Maksud Carneiro.

Tratamento

O tratamento da sarcopenia geralmente envolve uma combinação de medicamentos com exercícios e nutrição, a fim de se obter melhores respostas clínicas. “Os exercícios físicos têm de contemplar potência, força e resistência muscular, conforme as condições físicas e de saúde de cada paciente. Medidas dietéticas como suplementação de proteína devem obedecer a cada perfil de paciente, e estudos mostram melhores resultados quando combinados com exercícios físicos”, diz a geriatra.

Segundo a especialista, são tratamentos de longo prazo e geralmente implicam uma mudança de estilo de vida. Para pacientes que perderam massa muscular devido a uma doença aguda, o tratamento também se baseia em recuperação do volume muscular e da força muscular.

Em casos nos quais a sarcopenia está em estágios avançados, o tratamento pode incluir também o uso de hormônios anabolizantes, sempre sob supervisão e acompanhamento médico.

Prevenção

A combinação de exercícios físicos e dieta equilibrada com orientação profissional são os meios mais eficazes de prevenir ou minimizar a sarcopenia, com ganho ou manutenção da massa muscular. “Dentre as atividades físicas, destacam-se exercícios aeróbicos e de resistência, como musculação e pilates. Em relação à dieta, devemos destacar os alimentos ricos em proteínas, na proporção de 1 a 1,2g de proteína por quilo de peso corporal ao dia. Porém, há contraindicações dessa quantidade proteica em algumas comorbidades, como na insuficiência renal. Por isso, é fundamental fazer um acompanhamento médico”, alerta a geriatra.  

Pacientes internados em unidades de terapia intensiva, vítimas de fraturas ou em outras situações que causem imobilidade temporária devem ser submetidos à fisioterapia motora e respiratória, além de haver manutenção de uma dieta rica em proteínas, normalmente com acompanhamento nutricional especializado. 

Amor à Vida

O programa “Amor à Vida” disponibiliza aos associados uma equipe composta por profissionais qualificados, sempre prontos a orientá-los para o desenvolvimento de hábitos de vida mais saudáveis, assim como esclarecer dúvidas e assessorá-los nas seguintes áreas: cardiologia, endocrinologia, geriatria, fisioterapia, nutrição e psiquiatria. Entre em contato para saber mais: (31) 3079-3472.